Seja Bem-Vindo!

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Rise - Eddie Vedder

video

Rise (Tradução)

Tais são os caminhos do mundo
Você nunca sabe
Onde colocar sua fé
E como ela vai crescer

Vou me erguer
Trazer de volta buracos e memórias ocultas
Vou me erguer
Transformar enganos em ouro

Tal é a passagem do tempo
Rápida demais para conter
E de repente engolida por sinais
Abaixe-se e observe

Vou me erguer
Encontrar minha direção magneticamente
Vou me erguer
Jogar minha pressa na estrada

terça-feira, 26 de abril de 2011

put your records on!

video

Quanto mais as coisas parecem mudar
Mais elas continuam as mesmas
...
Quanto mais você continua a mesma
Mais eles parecem mudar

terça-feira, 19 de abril de 2011

Branca vem procurar Pajé.

Branca vem procurar Pajé. Traz doença sua, miração de branco. Branca vem procurar Pajé e quer que Pajé cure doença que Pajé não conhece. Doença que Povo meu não tem. Melancolência que num existe. Curiositude traz gente branca. Quer fazer ritual de povo meu. Gosta de ouvir música de povo meu. Acha bonito gostar das coisa de povo meu. ...Gosta de escutar coisa que Pajé diz. Branco quer receber nome de povo meu. Mas branco não quer virar povo com povo meu. Quer tomar Cipó de povo meu com pajé de branco. Num conhece as força. Faz confusão nas mente. Quer roubar ritual de povo meu e por nas arte de branco. Quer roubar pintura de povo meu e por nas roupa de branco. Branco quer cantar música de povo meu e gravar em CD de branco. Destrói a gente e quer que a gente cante e dance em festa de “dia de índio” de branco. Branco quer ajudar povo meu, diz que é irmão, que é parente, que quer fazer coisa boa. Branco destrói mundo que povo meu vive. Branco nas casa de branco quer ter casa maior, carro maior, violência maior, miséria maior. Aí branco diz que quer ajudar. Branco vem ajudar pela culpa, pra mostrar serviço pros governo de branco, pra se exibir pros outro branco, pra mostra pra nós que é bonzinho. Engana Pajé não. Céu tá caindo na cabeça de povo meu. Branco num dança direito. Branco não quer passar pro outro lado. Não quer sentir. A gente escuta branco falar de Deus de branco, Deus de sucesso, Deus de prosperidade, e só vê branco vaidoso, corruptido, que num pensa na tribo deles, na comunidade, nos irmão. Branco num ensina as criança dele direito. Tudo carente. Vira criança presa no corpo de adulto. Raiz que num cresce. Jovem Overdrogado. Home de povo meu fica louco só dois dias. Pajé cura ele, loucura some. Branco fica vida toda falando com pajé de consultório, contado vida criança abusada, triste, desonçada de mãe e pai e dando dinheiro pra médico que num cura e branco fica louco. Fala que nem maldade e continua louco. Branco não tem ritual que presta. Não tem espiritualitude que funciona. Branco não segura o céu lá em cima. Céu cai em cabeça de povo meu por culpa de branco. Branco não reza direito.

Um texto de Leo Lama

sábado, 16 de abril de 2011

Parabéns ao grande Charlie Chaplin!

Tu és jovem.
Atender a quem te chama é belo,
lutar por quem te rejeita
é quase chegar a perfeição.
A juventude precisa de sonhos
e se nutrir de lembranças,
assim como o leito dos rios
precisa da água que rola
e o coração necessita de afeto.

Não faças do amanhã
o sinônimo de nunca,
nem o ontem te seja
o mesmo que nunca mais.
Teus passos ficaram.
Olhes para trás...
mas vá em frente
pois há muitos que precisam
que chegues para poderem seguir-te.

Charles Chaplin

video
Minha mão esquerda é sua mão direita. Seu corpo é mar...

sexta-feira, 15 de abril de 2011

A vida humana é belíssima, mas brevíssima.

Tão breve como as gotas de orvalho que aparecem na calada da noite, cintilam ao amanhecer e se dissipam ao calor do sol.
Cada um de nós vive num pequeno parêntese do tempo.
Envolvemo-nos em tantas atividades sociais que não percebemos o mistério que cerca a existência.
A infância e a velhice parecem tão distantes, mas são tão próximas.
Num instante parecemos eternos, no outro, uma página na história.
Por ser tão breve a vida, deveríamos vivê-la, com sabedoria para sermos cada vez mais pais, educadores e profissionais inteligentes, jovens mais sábios, amigos mais afetivos.

Augusto Cury

terça-feira, 12 de abril de 2011

Amigo

Os amigos não precisam estar ao lado para justificar a lealdade. Mandar relatórios do que estão fazendo para mostrar preocupação.
Os amigos são para toda a vida, ainda que não estejam conosco a vida inteira. Temos o costume de confundir amizade com onipresença e exigimos que as pessoas estejam sempre por perto, de plantão. Amizade não é dependência, submissão. Não se têm amigos para concordar na íntegra, mas para revisar os rascunhos e duvidar da letra. É independência, é respeito, é pedir uma opinião que não seja igual, uma experiência diferente.
Se o amigo desaparece por semanas, imediatamente se conclui que ele ficou chateado por alguma coisa. Diante de ausências mais longas e severas, cobramos telefonemas e visitas. E já se está falando mal dele por falta de notícias. Logo dele que nunca fez nada de errado!
O que é mais importante: a proximidade física ou afetiva? A proximidade física nem sempre é afetiva. Amigo pode ser um álibi ou cúmplice ou um bajulador ou um oportunista, ambicionando interesses que não o da simples troca e convívio.
Amigo mesmo demora a ser descoberto. É a permanência de seus conselhos e apoio que dirão de sua perenidade.
Amigo mesmo modifica a nossa história, chega a nos combater pela verdade e discernimento, supera condicionamentos e conluios. São capazes de brigar com a gente pelo nosso bem-estar.
Assim como há os amigos imaginários da infância, há os amigos invisíveis na maturidade. Aqueles que não estão perto podem estar dentro. Tenho amigos que nunca mais vi, que nunca mais recebi novidades e os valorizo com o frescor de um encontro recente. Não vou mentir a eles ¿vamos nos ligar?¿ num esbarrão de rua. Muito menos dar desculpas esfarrapadas ao distanciamento.
Eles me ajudaram e não necessitam atualizar o cadastro para que sejam lembrados. Caso encontrá-los, haverá a empatia da primeira vez, a empatia da última vez, a empatia incessante de identificação. Amigos me salvaram da fossa, amigos me salvaram das drogas, amigos me salvaram da inveja, amigos me salvaram da precipitação, amigos me salvaram das brigas, amigos me salvaram de mim.
Os amigos são próprios de fases: da rua, do Ensino Fundamental, do Ensino Médio, da faculdade, do futebol, da poesia, do emprego, da dança, dos cursos de inglês, da capoeira, da academia, do blog. Significativos em cada etapa de formação. Não estão em nossa frente diariamente, mas estão em nossa personalidade, determinando, de modo imperceptível, as nossas atitudes.
Quantas juras foram feitas em bares a amigos, bêbados e trôpegos? Amigo é o que fica depois da ressaca. É glicose no sangue. A serenidade.



Fabricio Carpinejar

quinta-feira, 7 de abril de 2011

“Eu posso sentir o que a paixão faz em segundos
Eu posso sentir o que o amor fez depois de anos”

Os Paralamas Do Sucesso, em Scream Poetry

Listen to the music!

video

Listen To The Music

Don't you feel it growin', day by day
People gettin' ready for the news
Some are happy, some are sad
Oh, we got to let the music play
What the people need
Is a way to make 'em smile
It ain't so hard to do if you know how
Gotta get a message
Get it on through
Oh, now mama's go'n' to after 'while
Oh, oh, listen to the music
Oh, oh, listen to the music
Oh, oh, listen to the music
All the time
Well I know, you know better
Everything I say
Meet me in the country for a day
We'll be happyAnd we'll dance
Oh, we're gonna dance our blues away
And if I'm feelin' good to you
And you're feelin' good to me
There ain't nothin' we can't do or say
Feelin' good, feeling fine
Oh, baby, let the music play
Oh, oh, listen to the music
Oh, oh, listen to the music
Oh, oh, listen to the music
All the time
Like a lazy flowing river
Surrounding castles in the sky
And the crowd is growing bigger
List'nin' for the happy sounds
And I got to let them fly
Oh, oh, listen to the music
Oh, oh, listen to the music
Oh, oh, listen to the music
All the time

The Doobie Brothers

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Agora saca só esse pessoal!

Estão preocupados, contando os quilômetros, pensando em onde irão dormir essa noite, quanto dinheiro vão gastar em gasolina, se o tempo estará bom, de que maneira chegarão onde pretendem - e quando terminarem de pensar já teram chegado onde queriam, percebe?
Mas parece que eles têm que se preocupar e trair suas horas, cada minuto e cada segundo, entregando-se a tarefas aparentemente urgentes, todas falas; ou então a desejos caprichosos puramente angustiados e angustiantes, suas almas realmente não terão paz a não ser que se agarrem a uma preocupação explícita e comprovada, e tendo encontrado uma, assumem expressões faciais adequadas, graves e circunspectas, e seguem em frente, e tudo isso não passa, você sabe, de pura infelicidade, e durante todo esse tempo a vida passa voando por eles e eles sabem disso, e isso também os preocupa num círculo vicioso que não tem fim.

"Dean"

terça-feira, 5 de abril de 2011

Paixão

A paixão faz a pessoa parar de comer, dormir, trabalhar, estar em paz. Muita gente fica assustada porque, quando aparece, derruba todas as coisas velhas que encontra.
Ninguém quer desorganizar seu mundo. Por isso, muita gente consegue controlar esta ameaça, e são capazes de manter de pé uma casa ou uma estrutura que já está podre. São os engenheiros das coisas superadas.
Outras pessoas pensam exatamente o contrário: entregam-se sem pensar, pensando encontrar na paixão as soluções para todos os seus problemas. Colocam na outra pessoa toda a responsabilidade por sua felicidade, e toda culpa por sua possível infelicidade. Estão sempre eufóricas porque algo de maravilhoso aconteceu, ou deprimidas porque algo que não esperavam terminou destruindo tudo.
Afastar-se da paixão ou entregar-se cegamente à ela – qual destas duas atitudes é a menos destruidora?
Não sei.

"Maria"
Onze Minutos

Pense e Dance

Penso como vai minha vida
Alimento todos os desejos
Exorcizo as minhas fantasias
Todo mundo tem um pouco de medo da vida

Pra que perder tempo desperdiçando emoções
Grilar com pequenas provocações?
Ataco se isso for preciso
Sou eu quem escolho e faço os meus inimigos

Saudações a quem tem coragem
Aos que tão aqui pra qualquer viagem
Não fique esperando a vida passar tão rápido
A felicidade é um estado imaginário

Não penso em tudo que já fiz
E não esqueço de quem um dia amei
Desprezo os dias cinzentos
Eu aproveito pra sonhar enquanto é tempo

Eu rasgo o couro com os dentes
Beijo uma flor sem machucar
As minhas verdades eu invento sem medo
Eu faço de tudo pelos meus desejos

Saudações a quem tem coragem
Aos que tão aqui pra qualquer viagem
Não fique esperando a vida passar tão rápido
A felicidade é um estado imaginário

Pense e dance
Pense
Pense e dance...

Barão.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Encontros

Os encontros mais importantes já foram combinados pelas almas antes mesmo que os corpos se vejam.
Geralmente estes encontros acontecem quando chegamos a um limite, quando precisamos morrer e renascer emocionalmente. Os encontros nos esperam – mas a maior parte das vezes evitamos que eles aconteçam. Entretanto, se estamos desesperados, se já não temos mais nada a perder, ou se estamos muito entusiasmados com a vida, então o desconhecido se manifesta, e nosso universo muda de rumo.
Todos sabem amar, pois já nasceram com este dom. Algumas pessoas já o praticam naturalmente bem, mas a maioria tem que reaprender, relembrar como se ama, e todos – sem exceção – precisam queimar na fogueira de suas emoções passadas, reviver algumas alegrias e dores, quedas e subidas, até conseguir enxergar o fio condutor que existe por detrás de cada novo encontro; sim, existe um fio.

Paulo Coelho

sábado, 2 de abril de 2011

Não é assim que funciona.

Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade. Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável.

Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada "dois em um": duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava. Não nos contaram que isso tem nome: anulação. Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável.
Fizeram a gente acreditar que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto. Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto.

Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade. Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar alternativas.
Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente. Cada um vai ter que descobrir sozinho. E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém."

(John Lennon)